Sex Tape: Perdido na Nuvem | Crítica da Dublagem

Casal de dubladores com o ritmo certo para comédia.

Izaías Correia
28 de agosto de 2014



 

SEX TAPE: PERDIDO NA NUVEM

SEX

3mBOA

Sex Tape – EUA , 2014


Estúdio de dublagem: Delart


Direção de dublagem: Pádua Moreira


Tradução: Mario Menezes


Elenco de dublagem:

Cameron Diaz (Annie): Mônica Rossi
Jason Segel (Jay): Alexandre Moreno
Rob Corddry (Robby): Márcio Simões
Ellie Kemper (Tess): Roberta Nogueira
Rob Lowe (Hank): Marco Antônio
Nancy Lenehan (Linda): Lina Rossana
Giselle Eisenberg (Nell): Bia Ávila
Harrison Holzer (Howard): Wirley Contaifer
Sebastian Hedges Thomas (Clive): Yago Machado
Jack Black (Lamont): Christiano Torreão

Sim, Sex Tape: Perdido na Nuvem é mais uma comédia americana que nos remete àquela situação de déjà vu, com personagens que só falam sobre sexo, mas quando o assistimos dublado alguma coisa se salva no ritmo do filme.

Primeiro Alexandre Moreno simplesmente salva a interpretação sem tempero e sem timing nenhum de Jason Segel, o dublador é magistral nas cenas sérias e nas cômicas é extremamente engraçado, apenas… falando. Depois Mônica Rossi consegue fazer a Cameron Diaz como poucas dubladoras, misturando sensualidade e graça na medida certa, com isso faz a diferença de idade de oito anos entre o casal de atores praticamente desaparecer, Diaz acaba bem mais jovial. O que falta de química entre Segel e Diaz parece sobrar para o casal de dubladores, então muito do humor Sex Tape é salvo aqui na versão dublada. Com uma dupla dessas dando vozes ao par principal pode escolher a versão dublada sem medo nenhum.

Pádua Moreira dirige com maestria as situações cômicas na dublagem, com as interpretações das vozes escolhidas longe do caricato e sem perder o ritmo frenético de algumas falas. Quando Annie e Jay discutem no carro sobre a perda da fita, parece que Alexandre e Mônica gravaram juntos no estúdio, graças a qualidade nas interpretações e mixagem (trabalho de Cláudio Alves) .

O elenco de apoio está maravilhoso, com Márcio Simões, Marco Antônio e Lina Rossana, além de um grato trabalho de Roberta Nogueira, graciosa demais fazendo Ellie Kemper.

A tradução de Mario Menezes segue a risca o texto original, nada de adaptações aqui pra uma história que na verdade é de linguagem universal.

Técnica e qualidade de som no padrão Delart.